domingo, 28 de janeiro de 2018

Intrusa

 
Intrusa
 
A brisa sicilando na folhagem,
do sonho despertou-me, lentamente.
O azul do firmamento, a fria aragem,
a tua imagem posta em minha mente.
 
No colorido excelso da paisagem,
eu colho teu sorriso, docemente.
Na cor desta ilusão, doce miragem,
te vejo na distância, ternamente.
 
Às vezes sinto a face igual enchente,
e escuto dentro em mim meu próprio brade,
vertendo uma emoção que não se explica.
 
Assim, que quando as águas da torrente,
escorem em filetes de saudade,
o amor o peito enflora, multiplica.
 
Edith Lobato - 9/09/16

segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

Relembrar

Relembrar
 
De novo sentada perscruto o horizonte,
o peito estufado de imensa saudade,
velando tua ausência que a bem da verdade,
constante pressente teus passos na ponte.
Eu vivo a pensar e me perco defronte,
daquelas lembranças da gente ao luar,
dos nossos sorrisos na força do olhar.
Amar desse jeito por tempo sem conta,
é não saciar o desejo que afronta,
o amor naufragado nas ondas do mar.
 
Edith Lobato - 30/10/17