sábado, 13 de janeiro de 2018

Saracura

Saracura
 
Ouço teu canto tão longe,
na tarde ao longo do dia,
na hora santa em que o monge,
medita em paz, balbucia.
 
Vais solitária e arredia!
Por entre os juncos te escondes.
Ouço teu canto tão longe,
na tarde ao longo do dia.
 
Já não te escuto por onde,
quando criança corria.
Oh, saracura responde,
a mata está tão vazia!
Ouço teu canto tão longe!
 
Edith Lobato - 17/10/17

16 comentários:

  1. Lindo e há tempos não ouço mais o canto da saracura! bjs praianos,chica

    ResponderExcluir
  2. Que poema tão delicado!

    r: Pois é
    Muito, muito obrigada *.*

    Sem dúvida, sobretudo quando têm um significado especial

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  3. Hola Edith, gracias por tu visita a Universo. Bonito poema. Un abrazo y Feliz 2018

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ana, eu que agradeço a leitura.
      Igualmente, te desejo um excelente 2018.
      Bom domingo.

      Excluir
  4. Edith , poema lindo repleto de delicada saudade . Agradeço a partilha e a visita ao meu espaço . Boa semana .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela leitura Marisa.
      Feliz domingo.

      Excluir
  5. Nao entendo a diferença no canto dos passaros para distingui-los, mas é tao bom ouvi-los.

    Beijos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É bom demais ouvi-los. Obrigada pela leitura.
      Bom domingo.

      Excluir
  6. Edith obrigada pela visita e assim que puder vou adicioná-la!

    A poesia na sua simplicidade é clara e bela!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, querida pela leitura e por tua grande gentiliza.
      Bom domingo.

      Excluir
  7. Edith querida, que bom te encontrar , sua página está poeticamente bela, o Rondel que ora leio ficou grandioso e belo!
    Adorei te achar menina!

    Boa semana!

    Bjss!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Diná, muito contente com tua leitura e visita.
      Bela noite.

      Excluir
  8. Oi Edith, alguns cantos ficam nas memórias, lembro de alguns sons de pássaros que nunca mais ouvi. Lindo poema!
    Obrigada pelo comentário no Pinceladas!
    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade Dalva, especialmente quando se teve uma convivência mais perto da natureza.
      Obrigada pela leitura.
      Bela noite.

      Excluir

Muito obrigada por deixar registrado em, Matizes da Alma, sua visita e sua opinião. Receba meu carinho.